A certificação orgânica assegura ao consumidor a qualidade e procedência de um alimento natural ou processado.

A certificação apresenta-se em forma de selo afixado na embalagem do produto, atestando com clareza as práticas utilizadas em sua produção, respeitando a natureza, o trabalhador e o meio ambiente como um todo, além de garantir ao consumidor um alimento saboroso e sem contaminação química.

O Selo Orgânico é concedido apenas aos produtos cultivados de acordo com os pré-requisitos estabelecidos pelos órgãos responsáveis para serem considerados alimentos orgânicos, cuja produção é realizada sem intervenção química durante todo o processo de cultivo, contemplando o uso responsável do solo, da água, do ar e dos demais recursos naturais, respeitando as relações sociais e culturais, bem como as leis vigentes.
Todos os produtores que seguem o processo de acordo com o estabelecido podem adquirir o selo através das certificadoras credenciadas ao Ministério da Agricultura, caso contrário será necessário que se adequem aos padrões da agricultura orgânica para dar início ao processo de certificação. Para o produtor, a conquista da certificação é um fator extremamente importante para conquistar maior credibilidade e solidez em seu segmento.
No Brasil o selo orgânico está em vigor desde 2007, é gerido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e pelo Inmetro, tendo como auxiliares no processo as certificadoras regularmente fiscalizadas pelo Ministério Agricultura.
Qualquer descumprimento da legislação vigente pelo distribuidor, pode acarretar punições (advertência, autuação, apreensão dos produtos, retirada do cadastro dos agricultores autorizados, etc.), mantidas até que sejam realizadas novas avaliações, vistorias ou auditorias. Em alguns casos aplicam multas variáveis.

Portanto, fique ligado, vale a pena conferir o selo na embalagem.